A relação entre a suplementação de Ômega-3 e o transtorno depressivo em crianças e adolescentes

Autores

Palavras-chave:

Ácidos Graxos Ômega-3, Depressão, Criança, Adolescente

Resumo

O Transtorno Depressivo Maior (TDM) é um transtorno de humor caracterizado pela tristeza intensa de longa duração. Estima-se que parte significativa da população mundial de todas as idades sofrem desse transtorno, o que implica maior relevância sobre o assunto. O presente trabalho objetivou analisar a suplementação do Ômega-3 no tratamento de TDM em crianças e adolescentes. Foi realizada uma revisão de literatura a partir de uma busca de dados primários nos bancos de dados PuBMED e Scielo, utilizando-se dos descritores do Mesh Terms “Omega-3 fatty acids” AND depression”. Os filtros elegidos foram “Clinical trial” e “Randomized controlled Trial”, dos últimos 5 anos (2022-2017). Foram encontrados 40 artigos apenas no PuBMED, sendo que 14 foram selecionados. Os critérios de inclusão foram artigos que continham dados sobre a relação de adolescente e crianças com a suplementação de ômega 3 e depressão e excluímos artigos que não continham essa associação ou abordavam em adultos, gestantes, puérperas e idosos. Nos últimos anos tem sido discutida a relação entre a ingestão de óleo de peixe rico em ômega 3 e ácidos graxos polissaturados o transtorno depressivo maior (TDM), em virtude de comprovações científicas de que tal ácido graxo atua em benefício de atividades da serotonina, dopamina e noradrenalina. Contudo, a maioria dos estudos mostra que a monoterapia com suplementação de ômega-3 ainda não seria suficiente para a melhora de transtornos depressivos maiores ou a prevenção de sintomas. Mesmo assim, foram encontrados resultados positivos na suplementação de ômega-3 como coadjuvante em tratamentos antidepressivos, associados com medicamentos e psicoterapia. Se mostra necessário então a realização de mais estudos na área para compreender tal fisiopatologia e como utilizar a terapia com ômega-3 evidenciando os diferentes subtipos do transtorno depressivo e individualizando cada tratamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

OPAS, Organização Pan Americana de Saúde. Depressão. 2022. Disponível em: https://www.paho.org/pt/topicos/depressao. Acesso em: 17 de setembro de 2022.

DINIZ, J. P.; NEVES, S. A. O.; VIEIRA, M. L. Ação dos Neurotransmissores Envolvidos na Depressão. Ensaios e Ciência C Biológicas Agrárias e da Saúde, 24(4), 437–443, 2020. Disponível em: https://seer.pgsskroton.com/index.php/ensaioeciencia/article/view/7590 Acesso em: 15 setembro 2022.

FRISTAD, M. A. et al. Pilot randomized controlled trial of omega-3 and individual–family psychoeducational psychotherapy for children and adolescents with depression. Journal of Clinical Child and Adolescent Psychology: The Official Journal for the Society of Clinical Child and Adolescent Psychology, American Psychological Association, Division 53, 48(sup1), S105–S118, 2019. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/15374416.2016.1233500 Acesso em: 15 setembro 2022.

KATRENCÍKOVÁ, B. et al. . Lipid profile, lipoprotein subfractions, and fluidity of membranes in children and adolescents with depressive disorder: Effect of omega-3 fatty acids in a double-blind randomized controlled study. Biomolecules, 10(10), 1427, 2020. DOI: https://doi.org/10.3390/biom10101427. Disponível em: https://www.mdpi.com/2218-273X/10/10/142/htm Acesso em: 15 setembro 2022.

MARTIN, C. A. et al. Ácidos graxos poliinsaturados ômega-3 e ômega-6: importância e ocorrência em alimentos. Revista de Nutrição, 19(6), 761–770. 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/s1415-52732006000600011. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rn/a/RrbqXWrwyS3JHJMhRCQwJgv/. Acesso em: 15 setembro 2022.

PARLETTA, N et al. A Mediterranean-style dietary intervention supplemented with fish oil improves diet quality and mental health in people with depression: A randomized controlled trial (HELFIMED). Nutritional Neuroscience, 22(7), 474–487, 2019. DOI: https://doi.org/10.1080/1028415X.2017.1411320 Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/1028415X.2017.1411320 Acesso em: 15 setembro 2022.

LIM, G. Y. et al. Prevalence of depression in the community from 30 countries between 1994 and 2014. Scientific reports, v. 8, n. 1, p. 2861, 2018. DOI: 10.1038/s41598-018-21243-x. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29434331/. Acesso em: 15 setembro 2022.

SÁNCHEZ-VILLEGAS, A. et al. Seafood consumption, omega-3 fatty acids intake, and life-time prevalence of depression in the PREDIMED-Plus trial. Nutrients, 10(12), 2000, 2018. https://doi.org/10.3390/nu10122000. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30567286/ Acesso em: 15 setembro 2022.

VAN DER WURFF, I. S. M. et al. Exploring the association between whole blood Omega-3 Index, DHA, EPA, DHA, AA and n-6 DPA, and depression and self-esteem in adolescents of lower general secondary education. European Journal of Nutrition, 58(4), 1429–1439, 2019. DOI: https://doi.org/10.1007/s00394-018-1667-4. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29549496/ Acesso em: 15 setembro 2022.

Downloads

Publicado

28-10-2022

Como Citar

Ana Julia Pettini do Amaral, Guilherme Maciel da Cunha Lopes, Júlia Carvalho Siqueira, Larisse Ribeiro Bastos, Liz Garcia de Souza, Luana Simas de Oliveira Lopes, Vittoria de Oliveira Winter, & Sônia Cardoso Moreira Garcia. (2022). A relação entre a suplementação de Ômega-3 e o transtorno depressivo em crianças e adolescentes. Congresso Brasileiro De Ciências E Saberes Multidisciplinares, (1), 1–7. Recuperado de https://conferencias.unifoa.edu.br/tc/article/view/173

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)