Papel do enfermeiro frente a doação de órgãos e tecidos

uma pesquisa bibliográfica

Autores

Palavras-chave:

Doação de Órgãos, Enfermeiro, Tecidos

Resumo

Este estudo tratou de uma pesquisa bibliográfica acerca da atuação do enfermeiro no processo de doação de órgãos e tecidos. Teve como objetivo apontar o papel do enfermeiro no processo de doação de órgãos e tecidos, de acordo com a literatura. Pesquisa bibliográfica, exploratória, descritiva, com abordagem qualitativa. O levantamento dos artigos foi realizado na Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) na base de dados: Lilacs. Foram utilizados os descritores em saúde: “enfermeiro”, “doação de órgãos e tecidos”. Foram encontradas 317 produções científicas e após a utilização dos filtros selecionou-se 19 artigos, publicados entre 1998 a 2022. A coleta de dados deu-se no mês de junho de 2021. Após a análise, surgiram três categorias temáticas: morte encefálica, atuação do enfermeiro da CIHDOTT junto ao enfermeiro assistencial e a assistência dos enfermeiros junto à família. Os resultados da pesquisa nos permitiram perceber que, todo o processo de doação de órgãos e tecidos se inicia com a suspeita e constatação da ME pelo profissional da medicina. Tanto o enfermeiro assistencial quanto o enfermeiro da CIHDOTT devem possuir conhecimentos de modo a preservar as funções vitais do paciente. A assistência oferecida a possíveis doadores deve ser individualizada, humanizada e de qualidade. Concluiu-se que os enfermeiros que atuam no cuidado de enfermagem vinculado ao processo de doação de órgãos e tecidos necessitam de conhecimentos técnico-científicos aprofundados sobre a temática, pois as competências e habilidades clínicas exigidas a estes profissionais visam o alcance dos objetivos atrelados aos futuros transplantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Lei n. 10.211, de 23 de março de 2001. Altera dispositivos da Lei n. 9.434, de 04 de fevereiro de 1997, que dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento. Legislação sobre transplantes no Brasil. Ministério da Saúde, Brasília, 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Sistema Nacional de Transplantes. Brasília: Ministério da Saúde, 2022. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt- br/composicao/saes/snt#:~:text=O%20que%20%C3%A9%20doa%C3%A7%C3%A3 o%20de,um%20%C3%B3rg%C3%A3o%20ou%20tecido%20doente. Acesso em: 19 set. 2022.

CAMATTA, J. A. P. et al. Motivos da recusa a doação de órgãos apontados por familiares de pessoas com morte encefálica. Jornal Brasileiro de Transplantes, São Paulo, v. 14, p. 1541-1588, 2011. Disponível em: https://site.abto.org.br/wp-content/uploads/2020/06/11-3-1.pdf. Acesso em: 20 set. 2022.

CICOLO, E. A.; ROSA, B. A.; SCHIRMER, J. Doação e transplante de órgãos: produção científica. Rev. Bras. Enferm., v. 63, n. 2, p. 274-278, mar./abr. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v63n2/16.pdf. Acesso em: 01 mar. 2022.

CINQUE, V. M.; BIANCHI, E. R. F. A tomada de decisão das famílias para a doação dos órgãos. Cogit. Enferm., v. 15, n. 1, p. 69-73, 2009. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_nlinks&ref=2898036&pid=S1516- 0858201800010001100008&lng=pt. Acesso em: 18 set. 2022.

EVALDT, C. F. et al. Competências do Enfermeiro Membro da Comissão Intra- Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos Para Transplantes. Brazilian Journal of Transplantation, v. 25, n. 3, 2022. Disponível em: https://bjt.emnuvens.com.br/revista/article/view/464. Acesso em: 19 set. 2022.

GARCIA, V. D. A política de transplantes no Brasil. Revista da AMRIGS, Porto Alegre, v. 50, n.4, p. 313-320, out./dez. 2006. Disponível em: http://www.amrigs.com.br/revista/50-04/aesp01.pdf. Acesso em: 19 set. 2022.

MAGALHÃES, A. L. P. et al. SEGURANÇA DO PACIENTE NO PROCESSO DE DOAÇÃO E TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E TECIDOS. Cogit. Enferm., v. 22, n. 2,

Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/45621. Acesso em: 11 set. 2022.

MAGALHÃES, A. L. P. GERENCIANDO O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PROCESSO DE DOAÇÃO E TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS E TECIDOS NA PERSPECTIVA DO PENSAMENTO LEAN. Orientadora: Prof. Drª Alacoque Lorenzini Erdmann. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2015. 235 p. Tese (doutorado) – Univerdidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/han- dle/123456789/169421/338817.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 14 abr. 2022.

MAGALHÃES. A. L. P. et al. Significados do cuidado de enfermagem ao paciente em morte encefálica potencial doador. Rev. Gaúcha Enferm., v. 39, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rgenf/a/M93Lcpp6yvssqPyyTyrPM5M/. Acesso em: 19 out. 2022.

MOREIRA, W. C. et al. Assistência de enfermagem no processo de doação de órgãos e transplantes. Rev. Pre. Infec e Saúde, v. 2, n. 1-2, p. 32-42, 2016. Disponível em: https://ojs.ufpi.br/index.php/nupcis/article/viewFile/4381/pdf. Acesso em: 18 fev. 2022.

OLIVEIRA, M. J. R. L.; MORAIS JÚNIOR, S. L. A. O enfermeiro x potencial doador de órgãos: conceitos relacionados a religião. Nursing, v. 21, n. 241, p. 2218-2222, 2018. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-947582. Acesso em: 25 set. 2022.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Saúde do Paraná. Sistema Estadual de Transplantes. Manual para Notificação, Diagnóstico de Morte Encefálica e Manutenção do Potencial Doador de Órgãos e Tecidos. 2 ed. Curitiba, 2016.

Downloads

Publicado

20-12-2023

Como Citar

Fabiano de Carvalho da Silva, Clarissa Ferreira Pontual de Oliveira, Micheline Duarte dos Santos Moraes, & Mariana Emília da Silveira Bittencourt. (2023). Papel do enfermeiro frente a doação de órgãos e tecidos: uma pesquisa bibliográfica. Congresso Brasileiro De Ciências E Saberes Multidisciplinares, (2). Recuperado de https://conferencias.unifoa.edu.br/tc/article/view/1032

Edição

Seção

Ciências da Saúde (exceto Medicina)

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>