Qualidade de vida e saúde no Bairro Coqueiros

Autores

  • Ana Beatriz Bastos Silva Alves de Sá Chaves Centro Universitário de Volta Redonda, Volta Redonda, RJ - UniFOA.
  • Bárbara Gonçalves Teles Centro Universitário de Volta Redonda, Volta Redonda, RJ - UniFOA.
  • Gabriel José Ribeiro Centro Universitário de Volta Redonda, Volta Redonda, RJ - UniFOA.
  • Karla Nachard Maciel Centro Universitário de Volta Redonda, Volta Redonda, RJ - UniFOA.
  • Leoni Ferreira da Silva Centro Universitário de Volta Redonda, Volta Redonda, RJ - UniFOA.
  • Raphaela da Cunha Gomes Pereira Centro Universitário de Volta Redonda, Volta Redonda, RJ - UniFOA.
  • Romulo Ribeiro Garcia Centro Universitário de Volta Redonda, Volta Redonda, RJ - UniFOA.
  • Heloísa São Thiago Centro Universitário de Volta Redonda, Volta Redonda, RJ - UniFOA.

Palavras-chave:

Assistência à saúde, Programa de Saúde da Família, Qualidade de vida

Resumo

Introdução A mensuração da saúde, de forma isolada, é incompleta como indicador da qualidade de vida e da assistência à saúde. Por isso, a epidemiologia mede a saúde indiretamente, pela ocorrência de doenças e óbitos. A maioria dos indicadores de nível da saúde baseia-se em dados de mortalidade (Sistema de Informações sobre Mortalidade). O coeficiente de mortalidade geral é influenciado pela estrutura da população, o que limita seu uso. A comparação entre populações depende da padronização dessa taxa. O Índice de Sweroop-Uemura (ISU) inclui condições demográficas e mede a porcentagem de pessoas que morrem com 50 anos ou mais, em relação ao total de óbitos. A análise do resultado obtido a partir do cálculo do ISU é feita de acordo com a classificação: Primeiro nível (>75%); Segundo nível (50- 74%); Terceiro nível (25-49%); Quarto nível (<25%). A Curva de Mortalidade Proporcional (Nelson Moraes) também tem correlação com as condições de vida da população e mostra a mortalidade proporcional para as idades, apresentando vantagens: é fácil de calcular, inclui o ISU, que permite comparações, e é representado graficamente. A Curva de Nelson Moraes pode assumir formas que correspondem às condições de vida e saúde da população estudada.

Referências

BRITO, F. Transição demográfica e desigualdades sociais no Brasil. Revista Brasileira de Estudos de População, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 5-26, jun. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbepop/v25n1/v25n1a02.pdf>. Acesso em: 25 fev. 2014.

MENDES, E. V. As redes de atenção à saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.15, n.5, ago. 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232010000500005>. Acesso em: 19 fev. 2014.

JORGE, M. H. P. M.; LAURENT, R.; NUBILA, H. B. V. O óbito e sua investigação: Reflexões sobre alguns aspectos relevantes. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 13, n. 4, dez. 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415-790X2010000400002&script=sci_arttext>. Acesso em: 19 fev. 2014.

BRASIL. Indicadores e Dados Básicos, 2012. DataSUS. Disponível em: <http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/idb2012/matriz.htm>. Acesso em 18 fev. 2014.

Downloads

Publicado

04-10-2014

Como Citar

Bastos Silva Alves de Sá Chaves, A. B., Gonçalves Teles, B., José Ribeiro, G., Nachard Maciel, K., Ferreira da Silva, L., da Cunha Gomes Pereira, R., Ribeiro Garcia, R., & São Thiago, H. (2014). Qualidade de vida e saúde no Bairro Coqueiros. Congresso Médico Acadêmico UniFOA. Recuperado de https://conferencias.unifoa.edu.br/congresso-medvr/article/view/808

Edição

Seção

Resumos simples

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.