Leucemia Mielóide Crônica e Transplante Renal

Autores

  • Isabela Ribeiro Centro Universitário de Volta Redonda, Volta Redonda, RJ - UniFOA.
  • Bruna Mota Centro Universitário de Volta Redonda, Volta Redonda, RJ - UniFOA.
  • Juliana Damasceno Centro Universitário de Volta Redonda, Volta Redonda, RJ - UniFOA.

Palavras-chave:

Leucemia Mielóide Crônica, Trasnplante Renal, Imunossupressores

Resumo

Introdução: A leucemia mielóide crônica (LMC) é uma doença clonal maligna caracterizada por uma excessiva proliferação da linhagem mielóide. A doença é associada a uma anormalidade citogenética específica, o Cromossoma Philadelphia (Ph), que resulta de uma translocação recíproca entre os braços longos dos cromossomas 9 e 22, isto é, a t(9;22) e leva à formação de um novo gene leucemia-específico, o BCR-ABL, detectável por polymerase-chain-reaction assay (PCR).7 A leucemia mielóide crônica (LMC) foi descrita como forma independente de leucemia há 150 anos, em pacientes que morreram em conseqüência de intensa leucocitose e hepato-esplenomegalia.. A radiação ionizante em altas doses é o fator de risco mais associado ao surgimento da LMC, enquanto a participação de agentes químicos, biológicos e a predisposição genética, embora sugestivos, não parecem exercer muita influência no aparecimento da doença.2 A Leucemia mielóde crônica possui uma incidência de 1,5 por 100000 pessoas por ano, e a incidência ajustada para a idade é a mais alta nos homens do que nas mulheres, A incidência da LMC aumenta lentamente com a idade, até cerca de 45 anos, quando começa a elevar-se rapidamente.3 Malignidades particulares demonstraram um aumento da incidência em pacientes imunossuprimidos depois de um órgão transplantado. Até o momento, apenas 24 casos de leucemia mielóide crônica (LMC) associado com imunossupressão foram relatados, dos quais,17 desenvolveram após rim transplante média relatada intervalo entre o início do imunossupressão e detecção de CML é 44 meses (variando de 10-96 meses) . Nós relataremos um paciente cujos CML foi diagnosticado dentro de 5 meses de um transplante de rim.1  

Referências

Alkaline Phosphatase Correlated With Imatinib Therapy. Experimental and Clinical Transplantation. 2011;9(5):336-339.

Ana Paula F. BergantiniI; Fabíola A. CastroII; Ana M. SouzaII; Agnes C. Fett-ConteIII Leucemia Mielóide Crônica e o sistema Faz-Fasl, Rev. Bras. Hematol. Hemoter. v.27 n.2 São José do Rio Preto abr./jun. 2005

HARRISON, T. R; LONGO, Dan L (Organizador). Medicina interna de Harrison. LONGO, Dan L (Organizador). 18. ed. Porto Alegre: AMGH, 2013.

Larson R.A, Druker L,B, Guilhot F. Imatinib farmacocinética e sua correlação com a resposta e segurança em fase crônica de leucemia mielóide crônica: a sub-análise do estudo IRIS, International Randomized Interferon vs STI571, Grupo de Estudo IRIS.

le Coutre P, Reinke P, Neuhaus R, et al. BCR-ABL positive cells and chronic myeloid leukemia in immune suppressed organ transplant recipients. Eur J Haematol. 2010;84(1):26-33.

Magro Fernando, 2006 /2007, Intervenções Farmacológicas - Sistema Imunológico

Revista brasileira de cardiologia, condutas do INCA.

Thierry A, Dreyfus B, Bridoux F, et al. Long-term molecular efficacy and safety of imatinib in a patient with chronic myeloid leukaemia after renal transplantation. Nephrol Dial Transplant. 2007;22(6):1791-1792.

Downloads

Publicado

04-10-2014

Como Citar

Ribeiro, I., Mota, B., & Damasceno, J. (2014). Leucemia Mielóide Crônica e Transplante Renal. Congresso Médico Acadêmico UniFOA. Recuperado de https://conferencias.unifoa.edu.br/congresso-medvr/article/view/785

Edição

Seção

Resumos simples

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)