Investigação diagnóstica de Hematúria Macroscópica em pré-escolar

um relato de caso

Autores

  • Mara Gonçalves Pinto Giffoni Centro Universitário de Volta Redonda, Volta Redonda, RJ - UniFOA.
  • Mariana Pádua do Amaral Centro Universitário de Volta Redonda, Volta Redonda, RJ - UniFOA.
  • Lucas Rebelo Silva Puccini Centro Universitário de Volta Redonda, Volta Redonda, RJ - UniFOA.
  • Luciano Rodrigues Costa Centro Universitário de Volta Redonda, Volta Redonda, RJ - UniFOA.

Palavras-chave:

Hematúria macroscópica, pré-escolar, diagnóstico, nefrolitíase

Resumo

Introdução: A hematúria é um achado frequente na clínica pediátrica, sendo considerada a segunda maior causa das consultas nefrológicas. Pode ser definida como a presença de mais de cinco hemácias por microlitro de urina. Como a hematúria é uma alteração que pode ser desencadeada por várias causas, torna-se, então, um desafio diagnóstico para o pediatra detectar uma doença importante. Neste relato é possível e expor a investigação diagnóstica realizada quanto um caso de hematúria macroscópica a esclarecer em pré-escolar.A paciente veio trazida pela mãe ao Hospital Municipal Munir Rafful (HMMR) apresentando quadro de hematúria macroscópica e febre. Foram solicitados exames de sangue, urina, ultrassonografia de rins e vias urinárias e tomografia computadorizada de abdome. Objetivos: Este relato pretende expor a investigação diagnóstica realizada quanto um caso de hematúria macroscópica a esclarecer em pré-escolar, ratificando as possibilidades diagnósticas a partir da clínica e com o auxílio exames complementares disponíveis para delimitar o tipo de patologia presente. Metodologia: Trata-se de um Relato de Caso que foi devidamente assinado o termo de consentimento livre e esclarecido (modelo UniFOA) pela mãe da paciente. Na revisão de literatura foram pesquisados artigos científicos publicados na Internet dos últimos 10 anos, utilizando as bases de dados Medline, Google Acadêmico e Scielo. Relato do caso: Pré-escolar de dois anos e sete meses de idade, branca, do sexo feminino, pesa 10,2kg e mede 82cm. É procedente e natural de Volta Redonda – RJ. Deu entrada no Pronto Socorro Infantil do Hospital Municipal Munir Rafful (PSI-HMMR) no dia 28 de março de 2014 com a queixa principal de “urina escura” e “febre há dois dias”. Na doença atual, há três meses vem apresentando hematúria a esclarecer que vem sendo acompanhada pela nefrologista que solicitou uma série de exames laboratoriais, mas ainda sem um diagnóstico. Mãe refere que a paciente, em geral, apresenta a urina escura por alguns dias, depois clareia e posteriormente retorna a escurecer. Pela manhã, apresentou a febre aferida de 38,5ºC, segundo a mãe, e urinou em pouca quantidade com a cor escura. Não está fazendo uso de medicações e está em dieta normal. Resultados: Após investigação minuciosa em bases de dados e correlação de exames complementares com a clínica presente foi possível evidenciar o fator desencadeante do quadro clínico presente, onde se tratava de uma hematúria causada por litíase renal, que atualmente é o fator mais comum de hematúria em crianças. Conclusão: O caso em questão, se arrastou ao longo de três meses devido a limitações do serviço hospitalar e apresentou uma diversa gama de diagnósticos possíveis. Baseado na abordagem de maiores incidência e prevalência na faixa etária, quadro clínico coerente e exames complementares, em especial a tomografia computadorizada, foi possível identificar a etiologia que se tratava de urolitíase bilateral. É fundamental que a avaliação inicial de uma hematúria seja bem realizada, pois a anamnese e o exame físico podem gerar grandes indícios diagnósticos que posteriormente seriam confirmados com a escolha correta dos exames complementares. A paciente na alta hospitalar foi encaminhada para o nefrologista infantil para dar seguimento clínico.

Referências

ABREU, P. F. et al. Avaliação Diagnóstica de Hematúria. Disciplina de Nefrologia da Escola Paulista de Medicina – Unifesp. São Paulo-SP. J Bras Nefrol Volume 29 nº 3. Setembro de 2007.

DAVIS, I. D.; AVNER, E. D. Condições Particulamente Associadas à Hematúria. In Nelson, Tratado de Pediatria. KLIEGMAN, Robert M.; et al. 18°ed – Rio de Janeiro: Elservier, 2009.

ITO, C. A. S. et al . Análise comparativa de duas metodologias para a identificação de cilindros hemáticos urinários. J. Bras. Nefrol., São Paulo , v. 33, n. 4, Dec. 2011.

LEE, J.H. ET al. Causes and outcomes of asymptomatic gross haematuria in children. Department of Pediatrics, Asan Medical Center Children's Hospital, University of Ulsan College of Medicine, Seoul, Korea. Nephrology (Carlton). Feb. 2014.

PARK, S.J. et al. When should we consider renal biopsy in children with isolated microscopic hematuria? Department of Pediatrics, Ajou University Hospital, Ajou University School of Medicine, Suwon, Korea. Clin Exp Nephrol. 2014 Mar 25.

SANCHEZ-MARTIN, F.M. et al. Hematuria: 50 años de perspectiva. Entrevista a los doctores F.J. Solé Balcells y J.A. Martínez-Piñeiro.Arch. Esp. Urol., Madrid, v. 58, n. 7, set. 2005.

Downloads

Publicado

04-10-2014

Como Citar

Gonçalves Pinto Giffoni, M., Pádua do Amaral, M., Rebelo Silva Puccini, L., & Rodrigues Costa, L. (2014). Investigação diagnóstica de Hematúria Macroscópica em pré-escolar: um relato de caso. Congresso Médico Acadêmico UniFOA. Recuperado de https://conferencias.unifoa.edu.br/congresso-medvr/article/view/781

Edição

Seção

Resumos simples

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)