Divertículo de Zenker no Diagnóstico Diferencial de Disfagia

Autores

  • Carolina Seabra Pacheco Gabrielli Alcântara Centro Universitário de Volta Redonda, Volta Redonda, RJ - UniFOA.
  • Marcela Santos Carvalho Centro Universitário de Volta Redonda, Volta Redonda, RJ - UniFOA.
  • Andrea Magaginini Torres Centro Universitário de Volta Redonda, Volta Redonda, RJ - UniFOA.
  • Wendy Carmo Aguiar Centro Universitário de Volta Redonda, Volta Redonda, RJ - UniFOA.
  • Elora Silva Lopes Leitão Centro Universitário de Volta Redonda, Volta Redonda, RJ - UniFOA.
  • Janine Capobiango Martins Médica Residente em Clínica Médica – Santa Casa de Misericórdia de Barra Mansa.
  • Nathália Monerat Rinto Blazuti Barreto Médica Residente em Clínica Médica – Santa Casa de Misericórdia de Barra Mansa.

Palavras-chave:

Divertículo de Zenker, Disfagia, Caquexia

Resumo

Introdução: O Divertículo de Zenker (DZ) é considerado um pseudo-divertículo (de pulsão), pois é constituído pela herniação da mucosa hipofaríngea através de uma área frágil entre as fibras oblíquas dos músculos faríngeo inferior e cricofaríngeo, em combinação com altas pressões intraluminais.1,2 Pelo pequeno desconforto que o paciente apresenta no inicio do quadro, geralmente procura o médico já com divertículo de médio a grande volume (médio: 2-4 cm; grande: >4 cm)3 .Já os divertículos pequenos de Zenker geralmente são assintomáticos, mas quando crescem a ponto de reter alimentos e saliva, podem causar disfagia, halitose e aspiração.4,5 Os principais sintomas apresentados são: disfagia cervical (89,8%), regurgitação de alimentos (71,8%), tosse (30,7%) e perda de peso (25,6%).1,3 Habitualmente aparece em pacientes com mais de 60 anos de idade e mostra uma proporção de dois homens para uma mulher 4,6,7 Os portadores da doença apresentam-se com quadro clínico típico, como já citado e de fácil confirmação diagnóstica pela radiografia contrastada do esôfago-estômago-duodeno.5 O tratamento consiste em diverticulectomia cirúrgica e miotomia cricofaríngea, ou marsupialização na qual um dispositivo de grampeamento endoscópio é usado para a incisão muscular.3 Não há evidência que suporte o apelo de que a abordagem endoscópica é melhor que os procedimentos cirúrgicos "antigos"; o tratamento endoscópico e cirúrgico do DZ têm resultados comparáveis para segurança e efetividade; e a pesquisa cirúrgica sobre esse tema necessita de trabalhos que propiciem um maior nível de evidências.4 A vantagem que o tratamento endoscópico tem sobre a cirurgia é que pode ser realizado com anestesia tópica da orofaringe, já que a doença é mais comum nas idades mais avançadas com os doentes muitas vezes com comprometimento cárdio-respiratório, impossibilitando uma anestesia geral.2 Objetivos: Apresentar um relato de caso sobre DZ e breve análise de artigos publicados em periódicos científicos indexados ou textos de livros que abordem o tema direta ou indiretamente, visando melhor conhecimento sobre este relevante tema. Relato de Experiência: C. S., 66 anos, tabagista de longa data, estilista e diabético, morador da cidade de Barra Mansa/RJ, deu entrada no hospital de nível terciário, com queixa de dor abdominal associada a episódios de hematêmese. Relatou disfagia para alimentos sólidos, perda ponderal nos últimos seis meses de aproximadamente 10kg. Ao exame: facies caquética, hipocorado (2+/4+); desidratado (1+/4+); aparelho cardiovascular, respiratório e digestório normais; durante a internação foi realizado a endoscopia digestiva alta (EDA) que foi inconclusiva devido à presença de restos alimentares e obstrução esofágica proximal impedindo progressão no trato gastrointestinal, sugerindo a presença de divertículo esofágico e/ou acalasia. Optouse por solicitar a seriografia baritada do esôfago para esclarecimento do processo obstrutivo a qual evidenciou DZ. Foi solicitada a tomografia computadorizada (TC) cervical que evidenciou um espessamento do esôfago proximal, sem nenhuma outra alteração sugestiva de neoplasia. Diante disso foi pedido o parecer para a cirurgia e segue em pré operatório. Conclusão: A principal suspeita diagnóstica foi neoplasia, pois o paciente apresentava alta carga tabágica associada a importante perda ponderal, induzindo o raciocínio clínico para uma doença mais grave. Conforme exposto no relato, uma simples seriografia baritada de esôfago poderia fazer o diagnóstico de DZ, reduzindo o tempo de internação hospitalar, gastos com exames desnecessários e resolução rápida e eficaz da patologia apresentada.

Referências

Hajar, Nemer; Malafaia, Osvaldo; Strobel, Rodrigo; Cantarelli, Alessandra; Coelho, Júlio C. U. Divertículo de Zenker: estudo retrospectivo de casos / Zenker diverticulum: retrospective study of cases. Rev. méd. Paraná;58(1):17-23, jan.-jun. 2000. ilus.

ANDREOLLO, Nelson Adami et al . Tratamento cirúrgico do divertículo de zenker. Rev. Col. Bras. Cir., Rio de Janeiro , v. 25, n. 1, fev. 1998 .

OKANO, Nelson et ai. Divertículo fazer esôfago Análise de 24 patients Portadores fazer divertículo de Zenker. Acta Cir. Bras. , São Paulo, v. 15, Supl. 2, 2000.

MURARO, Cirilo Pardo Meo; AQUINO, José Luiz Braga de; SILVA, Marcos Roberto Meira e; LINTZ, José Eduardo. Divertículo de Zenker: análise de 11 pacientes / Zenker's diverticulum: analysis of 11 patients. Rev. ciênc. méd. PUCCAMP;6(2/3):95-8, maio-dez. 1997.

SILVEIRA, Marner Lopes da; VILHORDO, Daniel Weiss; KRUEL, Cleber Dario Pinto. Divertículo de Zenker.: TRATAMENTO endoscópico contra cirúrgico . Rev. Col. Bras. Cir., Rio de Janeiro, v. 38, n. 5, outubro 2011. Disponível em

ANDREIS, Elmes Luis; GUERRA, Enilde Eloena; LEMOS, Rafael Rodrigues. Divertículo de Zenker. Rev. Col. Bras. Cir. , Rio de Janeiro, 28 v., n. 4, agosto 2001.

SENAGA, Cristiano Matsumoto et al. Divertículo de Zenker. Rev. Assoc. Med. Bras. , São Paulo, v. 53, n. 2, abr 2007.

Palavras-chave: Divertículo de Zenker; Disfagia; Caquexia.

Downloads

Publicado

04-10-2014

Como Citar

Seabra Pacheco Gabrielli Alcântara, C., Santos Carvalho, M., Magaginini Torres, A., Carmo Aguiar, W., Silva Lopes Leitão, E., Capobiango Martins, J., & Monerat Rinto Blazuti Barreto, N. (2014). Divertículo de Zenker no Diagnóstico Diferencial de Disfagia. Congresso Médico Acadêmico UniFOA. Recuperado de https://conferencias.unifoa.edu.br/congresso-medvr/article/view/768

Edição

Seção

Resumos simples

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>