Geração e coleta de resíduos sólidos urbanos (RSU) nos municípios do sul fluminense

uma análise para o período de 2015 a 2019

Autores

Palavras-chave:

Resíduos Sólidos Urbanos, Consumo, Geração

Resumo

A cultura do consumo excessivo e da descartabilidade dos produtos não alterou somente o modo de produção da sociedade, mas fomentou o nascimento de uma nova sociedade, a sociedade de consumo. Tal advento trouxe como consequência uma profunda alteração no meio ambiente, devido principalmente ao aumento da geração de Resíduos Sólidos Urbanos (RSU). Através da metodologia de caráter exploratório baseada na consulta dos Relatórios Municipais de Gestão de Resíduos Sólidos, disponibilizados anualmente pelo Sistema Nacional de Informação sobre a Gestão dos Resíduos Sólidos – SINIR, a presente pesquisa visou caracterizar a geração de resíduos sólidos urbanos (RSU) nos municípios do Sul Fluminense, entre os anos de 2015 e 2016. Como resultado, observou-se que, em contramão ao cenário nacional, na região Sul Fluminense ocorreu uma diminuição na geração anual de RSU, ainda que tenha sido perceptível uma elevada geração per capita de tais resíduos em municípios com pequenas populações. Com relação aos custos relacionados à limpeza urbana, estes poderiam ter sido reduzidos através do desenvolvimento de políticas públicas e iniciativas que fomentassem alternativas sustentáveis para destinação dos mesmos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE LIMPEZA PÚBLICA E RESÍDUOS ESPECIAIS – ABRELPE (2020), “Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2018-2019”. Disponível em: <http://abrelpe.org.br/ panorama/>. Acesso em: 22 ago. 2022.

BRASIL. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Lei n. 12.305, de 2 de agosto de 2010, Presidência da República, Casa Civil, Brasília, 2010. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm>. Acesso em: 14 ago. 2022.

CAMPOS, H. K. T. Renda e evolução da geração per capita de resíduos sólidos no Brasil. Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 17, n. 2, p. 171–180, 2012.

CORACCINI, R. PIB: o que é, como é medido e quais fatores contribuem para seu crescimento. CNN Brasil, São Paulo, 2021. Disponível em: <https://www.cnnbrasil.com.br/business/pib-o-que-e-como-e-medido-e-quais-fatores-contribuem-para-seu-crescimento/>. Acesso em: 14 ago. 2022.

CORTEZ, C. A. T.; ORTIGOZA, G. S. A. Consumo Sustentável: conflitos entre necessidade e desperdício. São Paulo, Editora Unesp, 2007.

JACOB, P. R.; BESEN, G. R. Gestão de resíduos sólidos em São Paulo: desafios da sustentabilidade. Estudos Avançados, v. 25, n. 71, p. 135-158, 2011.

MARTINE, G.; ALVES, D. J. E. Economia, sociedade e meio ambiente no século 21: Tripé ou trilema da sustentabilidade? Rio de Janeiro, v. 32, n. 3, p. 433-460, 2015.

SILVA, J. S. Gestão de resíduos sólidos e sua importância para a sustentabilidade urbana no Brasil: uma análise regionalizada baseada em dados do SNIS. Boletim Regional, Urbano e Ambiental, n. 12, p. 61-70, 2015.

SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÃO SOBRE A GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS – SINIR. Relatórios Municipais de Gestão de Resíduos Sólidos. SINIR, [S.l], [S.D.]. Disponível em: <https://www.sinir.gov.br/relatorios/municipal/>. Acesso em: 14 ago. 2022.

ZAGO, V. C. P.; BARROS, R. T. V. Gestão dos resíduos sólidos orgânicos urbanos no Brasil: do ordenamento jurídico à realidade. Eng. Sanit. Ambient, Belo Horizonte, v. 24, n. 2, p. 219-228, 2019.

Downloads

Publicado

28-10-2022

Como Citar

Hiago Tavares de Souza, Ana Luiza de Oliveira Maia, Roberta Fernanda da Paz de Souza Paiva, & Afonso Aurélio de Carvalho Peres. (2022). Geração e coleta de resíduos sólidos urbanos (RSU) nos municípios do sul fluminense: uma análise para o período de 2015 a 2019. Congresso Brasileiro De Ciências E Saberes Multidisciplinares, (1), 1–9. Recuperado de https://conferencias.unifoa.edu.br/tc/article/view/76

Edição

Seção

Ciências Exatas, Tecnologias e Engenharias