Avaliação do efeito do extrato de hibisco em bactérias da orofaringe para produção de antisséptico bucal

Autores

Palavras-chave:

Vegetal, Antibacteriano, Microrganismo, Staphylococcus aureus. Hibisco

Resumo

Diversos tipos de plantas são estudados para identificar possíveis potenciais para o uso comestível e ou medicinais, e muitas ainda não foram exploradas por completo o seu potencial. Hibiscus é um gênero de plantas com flor que é considerado comestível e estudos apontam seu potencial antibacteriano frente a diversos microrganismos (SILVA, et al., 2014). Este estudo visa testar o potencial antimicrobiano nas bactérias encontradas na orofaringe, com foco principal na bactéria Staphylococcus aureus, uma bactéria comumente encontrada na orofaringe (SANTOS et al., 2007). O material vegetal usado neste estudo foi a flor do Hibiscus rosa-sinensis seco que foi triturado até a obtenção de 10g, e para produção do extrato tópico. As bactérias foram testadas por métodos de coloração de parede celular para confirmação das amostras, mantidas em estufas a 37ºC e o crescimento analisado após 24h de exposição ao extrato e todos os ensaios foram realizados em duplicata. Nos resultados obtidos, foi concluído que as maiores concentrações do extrato tópico de hibisco é funcional para redução das bactérias da orofaringe e com indicativo para utilização na produção de antisséptico bucal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

MONTEIRO, Érika M. H.; YAMAMOTO, Célia H.; Desenvolvimento de solução enxaguatória bucal bifásica contendo extratos naturais de plantas; Universidade Federal de Juiz de Fora; Juiz de Fora, 2012.

OLIVEIRA, Julyana A.; CASTRO, Ricardo D.; Segurança e tolerabilidade de um enxaguatório bucal a base do óleo essencial das folhas de Cinnamomum zeylanicum Blume (Canela) com ação sobre a Candidose e seu efeito sobre propriedades físicas da resina acrílica; Universidade Federal da Paraíba; João Pessoa, 2014.

OSTROSKY, E. A. et al. Métodos para avaliação da atividade antimicrobiana e determinação da Concentração Mínima Inibitória (CMI) de plantas medicinais. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 18, n. 2, p. 301¿307, jun. 2008.

P.; GAJALAKSHMI, K. In vitro antibacterial activity of Hibiscus rosa¿sinensis flower extract against human pathogens. Asian Pacific Journal of Tropical Biomedicine, v. 2, n. 5, p. 399¿403, maio 2012.

PATEL, R. et al. Antimicrobial Evaluation of Hibiscus rosa-sinensis plant extracts against Some Pathogenic Bacteria. p. 5, [s.d.]. MADIGAN, Michael T. et al. Microbiologia de Brock. 14. ed. Porto Alegre: ArtMed, 2016.

RM, V.; NAIR, B. R. A study on the antioxidant and antibacterial potential of the mucilage isolated from Hibiscus rosa-sinensis Linn. (Malvaceae). p. 5, [s.d.]. RUBAN,

SANTOS, A. L; et al. Staphylococcus Aureus: visitando uma cepa de importância hospitalar, J Bras Patol Med Lab, v. 43, n. 6, p. 413-423, dezembro 2007.

SILVA, A. B. DA et al. Caracterização antibacteriana e fitoquímica de flores de Hibiscus rosa-sinensis L. (mimo-de-vênus) e Hibiscus syriacus L. (hibisco-da-síria). Revista do Instituto Adolfo Lutz, 1941.

SILVA, A. B. DA; WIEST, J. M.; CARVALHO, H. H. C. Compostos químicos e atividade antioxidante analisados em Hibiscus rosa-sinensis L. (mimo-de-vênus) e Hibiscus syriacus L. (hibiscoda-síria). Brazilian Journal of Food Technology, v. 19, n. 1, 2016.

SILVA, Analú B; WIEST José M; PAIM Marcelo P; GIROLOMETTO Giovani. Caracterização antibacteriana e fitoquímica de flores de Hibiscus rosa-sinensis L. (mimo-de-vênus) e Hibiscus syriacus L. (hibisco-da-síria). Revista do Instituto Adolfo Lutz. São Paulo, 73(3):264-71, p.1, 2014.

SILVA, Analú B.; WIEST, José M; CARVALHO, Heloisa H. C. Chemicals and antioxidant activity analisys in Hibiscus rosa-sinensis L. (mimo-de-venus) and Hibiscus syriacus L. (hibiscus-the-syrian). Braz. J. Food Technol., v. 19, e2015074, p.6, 2016.

SILVA, N. L. et al. AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIOXIDANTE E ANTIBACTERIANA DO EXTRATO DA FLOR DE HIBISCUS SABDARIFFA E HIBISCUS ROSA-SINENSIS. Conexão Ciência (Online), v. 14, n. 1, p. 14¿20, 5 abr. 2019.

SOUZA, C. O, et al. Escherichia Coli enteropatogênica: uma categoria diarreiogênica versátil. Instituto Evandro Chagas, Seção de Bacteriologia e Micologia, Artigo de revisão, p1, 2016.

TePe. Você sabe quais bactérias vivem em sua boca?. TePe, 2016. Disponível em: https://tepe.com.br/voce-sabe-quais-bacterias-vivem-em-sua-boca/. Acesso em: 06 de maio de 2022.

TORTORA, Gerard J.; FUNKE, Berdell R.; CASE, Christine L. Microbiologia. 12. ed. Porto Alegre: Artmed, 2017. LORENZI, Harri.et al. Árvores exoticas no brasil:madeireiras,ornamnetias e aromaticas. Nova Odessa, SP : Instituto Plantarum, 2003 HAVEN,Peter H. et al. Biologia vegetal. 8 ed. Guanabara Koogan. Rio de Janeiro. 2014.

Downloads

Publicado

28-10-2022

Como Citar

Ryan Binhote de Medeiros, Aylla Kochem Veroneze, Leticia Vasques Nunes, Miriam Salles Pereira, & Ana Carolina Dornelas Rodigues Rocha. (2022). Avaliação do efeito do extrato de hibisco em bactérias da orofaringe para produção de antisséptico bucal. Congresso Brasileiro De Ciências E Saberes Multidisciplinares, (1), 1–7. Recuperado de https://conferencias.unifoa.edu.br/tc/article/view/43

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)