O perfil das usuárias de dispositivo intrauterino na policlínica da mulher do município de Volta Redonda – RJ

Autores

Palavras-chave:

Dispositivos intrauterinos, Anticoncepção, Análise de dados

Resumo

Após a criação do Sistema Único de Saúde (SUS), em 1988, ficou estabelecido o direito de livre escolha referente ao uso de contraceptivos e o fornecimento de condições para o seu exercício. O Dispositivo Intrauterino (DIU), por ser um método extremamente eficaz, seguro, bem tolerado e distribuído gratuitamente na forma de DIU de cobre pelo SUS, tem sido recomendado para a maioria das mulheres e apresentado expressivo aumento nos últimos anos. Objetivo: realizar um levantamento de dados a partir da análise dos prontuários de pacientes que inseriram DIU na Policlínica da Mulher - Dr. Julio Pereira Gomes, na cidade de Volta Redonda – RJ, visando estabelecer o perfil das usuárias e analisar se houve aumento de casos no município. Método: foi realizado o levantamento do número de pacientes que inseriram DIU de 2015 a 2021 e a análise retrospectiva dos dados contidos nos 74 prontuários médicos disponibilizados pela Policlínica da Mulher, dos anos de 2019 a 2021. Resultados e discussão: inseriu-se no Município de Volta Redonda cerca de 862 dispositivos intrauterinos, pela Policlínica da Mulher, desde 2015 até 19 de novembro de 2021, apresentando curva crescente do número de inserções até o ano de 2019 e queda nos dois anos seguintes, com provável relação com a pandemia do Novo Coronavírus (COVID-19) no Brasil. O perfil municipal dos 74 prontuários foi definido por pacientes entre 30 e 34 anos (21;28,4%), multíparas (57; 77%), em sua maioria com sexarca aos 15 anos (16; 25,81%) e distribuídas geograficamente em sua maioria no setor Norte (26; 35,1%). Percebe-se que a prevalência do uso do DIU em adolescentes e nulíparas na cidade de Volta Redonda não é expressiva, sendo possível questionar se há um equívoco diante de profissionais de saúde e pacientes quanto à contraindicação da possibilidade de inserção nas mesmas. Conclusão: Apenas com a continuação da linha de pesquisa na progressão dos anos torna-se possível comparação e retificação do perfil encontrado por essa análise, assim como observar a relação entre a pandemia e a redução da adesão ao método.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARRETO, D. da S..; MAIA, D. S..; GONÇALVES, R. D.; SOARES, R. de S.. Dispositivo Intrauterino na Atenção Primária a Saúde: uma revisão integrativa. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, Rio de Janeiro, v. 16, n. 43, p. 2821, 2021. DOI: 10.5712/rbmfc16(43)2821.

BRASIL, Ministério da Saúde. Assistência em Planejamento Familiar: Manual Técnico – 4ª edição – Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

BRASIL, Ministério da Saúde. Manual técnico para profissionais de saúde – DIU com cobre T Cu 380 A. Manual técnico para profissionais de saúde; Brasília, 1ª edição, 2018.

BUCCIERO, Michele; PARDA-CHLEBOWICZ, Magdalena. Contraception: overview. Ambulatory Gynecology, NY, 2018. p. 33-57; DOI:10.1007/978-1-4939-7641-6_3.

CARDOSO, D.A. Uso de dispositivo intrauterino em adolescentes – grau de conhecimento e causas para não escolha do método. Dissertação (mestrado), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2017.

FREITAS, F. et al. Rotinas em Ginecologia. 7ª edição, Artmed, 2017, 748 p.

HOSPITAL SÍRIO-LIBANÊS, Tudo Sobre o DIU, 22 fev. 2018. Disponível em: <https://www.hospitalsiriolibanes.org.br/imprensa/noticias/Paginas/Tudo-sobre-DIU.aspx>. Acesso em: 15 de maio de 2022.

FEBMACHADO R.B. Uso de dispositivos intrauterinos (DIU) em nulíparas. São Paulo: SÉRIE ORIENTAÇÕES E RECOMENDAÇÕES FEBRASGO, nº 1; 2018. 13 p; ISBN 978-85-94091-02-4.

NATIONAL COLLABORATING CENTRE FOR WOMEN’S AND CHILDREN’S HEALTH. Long-acting Reversible Contraception: The Effective and Appropriate Use of Long-Acting Reversible Contraception. NICE guideline – LARC; Londres. Outubro, 2005.

OLIVEIRA SOBRINHO, A.S. São Paulo e a Ideologia Higienista entre os séculos XIX e XX: a utopia da civilidade. Sociologias, Porto Alegre, v. 15, n. 32, p. 210-235, Apr. 2013 .

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Planejamento Familiar: Um Manual Global para Profissionais e Serviços de Saúde. OMS, 2007; ISBN: 978-0-9788563-3-5.

PMVR - PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA. Índice de Qualidade de Vida Urbana de Volta Redonda. Volta Redonda, 2019. Disponível em: <https://new.voltaredonda.rj.gov.br/8-interno/11-caracteristicas>. Acesso em: 15 de maio de 2022.

FEDERAÇÃO BRASILEIRA DAS ASSOCIAÇÕES DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. Manual de anticoncepção da FEBRASGO. FEBRASGO: Femina, 2015, ISBN: 978-85-64319-24-0 .

SANTOS, C.; ROSO, A.; LISBÔA FILHO, F.F. Contracepção e adolescência (s): revisão integrativa. Estud. Interdiscip. Psicol, p. 137-163, 2021.

SLYWITCH, Nathalia Coelho et al. Comparação entre os dispositivos intrauterinos de cobre e hormonal: uma revisão narrativa. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 13, n. 5, p. e7345-e7345, 2021.

SPINOLA, M. C. R. Fatores Associados a Iniciação Sexual Precoce de Adolescentes em Santarém, Pará. SANARE - Revista de Políticas Públicas, v. 19, n. 1, 2020.

TEAL, S.; EDELMAN, A. Contraception selection, effectiveness, and adverse effects: a review. JAMA, v. 326, n. 24, p. 2507-2518, 2021.

THE AMERICAN COLLEGE OF OBSTETRICIANS AND GYNECOLOGISTS. Adolescents and Long-Acting Reversible Contraception: Implants and Intrauterine Devices. Obstetrics and Gynecology;131(5):e130-e139; 2018.

Downloads

Publicado

28-10-2022

Como Citar

Júlia Benedeti Paixão, Isabelly Nascimento Souza, Natália dos Santos Marliere, & Kleber Domingues de Souza Filho. (2022). O perfil das usuárias de dispositivo intrauterino na policlínica da mulher do município de Volta Redonda – RJ. Congresso Brasileiro De Ciências E Saberes Multidisciplinares, (1), 1–9. Recuperado de https://conferencias.unifoa.edu.br/tc/article/view/174