Efeitos do Teste Aeróbico e de Força em marcador de Estresse Oxidativo salivar de indivíduos Sedentários

Autores

  • Roberto José Juliano Júnior UniFOA, Centro Universitário de Volta Redonda, Volta Redonda, RJ. https://orcid.org/0009-0003-6061-9876
  • Stephan Pinheiro Frankenfeld UniFOA, Centro Universitário de Volta Redonda, Volta Redonda, RJ.

Palavras-chave:

Espécies Reativas de Oxigênio, Teste Aeróbio, Teste de Força, Exercício Físico

Resumo

O presente estudo teve como objetivo averiguar os efeitos de diferentes testes físicos em marcador de estresse oxidativo de indivíduos sedentários, além da utilização da saliva como fonte de avaliação de parâmetros bioquímicos importantes para a verificação da capacidade física. Como justificativa de nosso estudo, podemos destacar que os recursos utilizados para verificação de desempenho físico, como a biopsia e a coleta de sangue, são metodologias complexas e com um custo elevado, o que não facilita a coleta de dados, por serem métodos invasivos. Já a coleta de saliva é um método não invasivo, que possibilita uma coleta rápida e eficaz, trazendo bem-estar aos participantes do estudo. O trabalho foi submetido ao CAEE do UNIFOA, aceito, e tem o número: 59875422.4.0000.5237. Nossa metodologia utilizada foi realizar testes físicos (Teste de Cooper e 10 repetições máximas RM)) para avaliar capacidade cardiorrespiratória (VO2 máx) e força muscular. Avaliamos o grupamento Tiol salivar desses indivíduos, para verificar os níveis de estresse oxidativo sistêmico alcançado após níveis submáximos de contração muscular em diferentes modalidades. Nós nossos resultados, observamos que indivíduos sedentários tem uma baixa índice de VO2 máx e de Força máxima, o que já era esperado. E observou-se maior produção de Espécies Reativa de Oxigênio em ambos os testes, porém uma com maior produção dessas substâncias no teste aeróbio. Concluímos que ambas as atividades físicas podem gerar maior produção de Radicais Livres, porém com o teste aeróbio, temos uma maior produção, indicando que o profissional de educação física deve ter muito cuidado ao prescrever exercícios submáximos para indivíduo sedentários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BLOOMER, R. J.; GOLDFARB, A. H. Anaerobic exercise and oxidative stress: a review. Canadian journal of applied physiology, 29(3), 245-263, 2004.

CÓRDOVA, A.; NAVAS, F. J. Os radicais livres e o dano muscular produzido pelo exercício: papel dos antioxidantes. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, 6, 204-208, 2000.

ELLMAN, G. L. Tissue sulfhydryl groups. Archives of biochemistry and biophysics, 82(1), 70-77, 1959.

FINAUD J.; LAC G.; FILAIRE E. Oxidative stress: relationship with exercise and training. Sports Medicine. 36(4):327-58, 2006

FRANKENFELD, S. P.; OLIVEIRA, L. P.; ORTENZI, V. H.; REGO-MONTEIRO, I. C.; CHAVES, E. A.;

FERREIRA, A. C.; LEITÃO, A.C.; CARVALHO, D.P.; FORTUNATO, R. S. The anabolic androgenic steroid nandrolone decanoate disrupts redox homeostasis in liver, heart and kidney of male Wistar rats. PloS one, 9(9), e102699, 2014.

GWOZDZINSLI K.; PIENIAZEK A.; BRZESZCZYNSKA J.; TABACZAR, S.; JEGIER, A. Alterations in red blood cells and plasma properties after acute single bout of exercise. The Scientific World Journal, 2013.

HALLIWELL B.; GUTTERIDGE J.M.C. Free Radicals in biology and medicine. Oxford Clarendon Press, 2007.

HENRÍQUEZ-OLGUIN.; RENANI, L. B.; ARAB-CESCHIA, L.; RAUN, S. H.; BHATIA, A.; LI, Z.; JENSEN, T. E. Adaptations to high-intensity interval training in skeletal muscle require NADPH oxidase 2. Redox Biology, 24, 101188, 2019.

MASON, S. A.; MORRISON, D.; MCCONELL, G. K.; WADLEY, G. D. Muscle redox signalling pathways in exercise. Role of antioxidants. Free Radical Biology and Medicine, 98, 29-45, 2016

MESQUITA, P. H.; VANN, C. G.; PHILLIPS, S. M.; MCKENDRY, J.; YOUNG, K. C.; KAVAZIS, A. N.; &

ROBERTS, M. D. Skeletal muscle ribosome and mitochondrial biogenesis in response to different exercise training modalities. Frontiers in Physiology, 12, 725866, 2021.

PARK S. Y.; KWAK, Y. S. Impact of aerobic and anaerobic exercise training on oxidative stress and antioxidant defense in athletes. Journal of exercise rehabilitation, 12(2), 113, 2016.

POWERS S. K.; DEMINICE, R.; OZDEMIR, M.; YOSHIHARA, T.; BOMKAMP, M. P.; HYATT, H. Exercise-induced oxidative stress: Friend or foe? Journal of sport and health science, 9(5), 415-425, 2020.

WINTERBOURN, C. C.; METODIEWA, D. Reactivity of biologically important thiol compounds with superoxide and hydrogen peroxide. Free Radical Biology and Medicine, 27(3-4), 322-328, 1999.

Downloads

Publicado

20-12-2023

Como Citar

Roberto José Juliano Júnior, & Stephan Pinheiro Frankenfeld. (2023). Efeitos do Teste Aeróbico e de Força em marcador de Estresse Oxidativo salivar de indivíduos Sedentários. Congresso Brasileiro De Ciências E Saberes Multidisciplinares, (2). Recuperado de https://conferencias.unifoa.edu.br/tc/article/view/1048

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)