Desafios para o controle da sífilis

perspectiva de acadêmicos de enfermagem

Autores

Palavras-chave:

Sífilis, Enfermagem, Estudantes de enfermagem

Resumo

Este estudo é fruto de um Projeto de Iniciação Científica (PIC) e trata do discurso de discentes de enfermagem de um Centro Universitário situado no interior do estado do Rio de Janeiro a respeito da sífilis e sua persistência em nosso meio, mesmo após avanços na testagem, tratamento e seguimento desta infecção sexualmente transmissível (IST). Os objetivos da pesquisa foram: analisar o discurso de alunos de enfermagem sobre seu conhecimento a respeito da sífilis; descrever desafios para o controle da sífilis em nossa sociedade, na percepção de acadêmicos de enfermagem; e discutir como os acadêmicos vêem o papel do enfermeiro no controle desta infecção. A pesquisa foi aprovada no Comitê de Ética em Pesquisa sob Parecer n. 5.877.487. Participaram do estudo 49 acadêmicos de enfermagem com idade superior a 18 anos, sendo 65% de 18 à 25 anos, 26 à 35 anos 16% e 36 à 45 anos 12% e acima de 45 anos 6%. Em relação ao sexo, 90% era do sexo feminino e 10% do masculino. Ao serem questionados sobre o seu ano de graduação 57% informaram estar cursando o 5° ano e 43% o 4° ano de graduação. 34% trabalha como técnico de enfermagem, auxiliar ou está estagiando na área da saúde, e 31% não está. Em relação ao conteúdo sobre sífilis na graduação, 90% afirmaram que já tiveram e 10% ainda não foram ministrados esse conteúdo. Sobre quais são os principais sintomas da sífilis, 37% indicaram lesão ulcerada na genitália, 19% lesão ulcerada na boca, 10% aumento dos linfonodos, 12% manchas vermelhas na pele e 20% manchas na palma das mãos e dos pés. Conclui-se que os acadêmicos têm conhecimento parcialmente adequado sobre a sífilis, apontam como desafios principais para o controle da infecção o não uso do preservativo e a participação efetiva do parceiro no tratamento da sífilis, e ainda entendem seu papel de enfermeiro educador, no futuro, para auxiliar no controle da infecção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Atenção Integral às Pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis – IST [recurso eletrônico] Brasília: Ministério da Saúde, 2022.

LIMA, L.V; et al. Análise comparativa do conhecimento de estudantes de enfermagem sobre hiv/aids e sífilis. Revista Baiana de Enfermagem‏, [S. l.], v. 36, 2022. DOI: 10.18471/rbe.v36.46715. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/enfermagem/article/view/46715. Acesso em: 24 nov. 2022.

MERENHQUE, Caroline; et al. Conhecimento e comportamento de acadêmicos de enfermagem acerca da prevenção de infecções sexualmente transmissíveis. Revista Enferm UFSM – REUFS. Rio Grande do Sul, v. 11, p. 1—21, 2021. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/43700/html>

PEREIRA, R.M.S; et al. Conhecimento de acadêmicos da área de saúde sobre sífilis. Revista Práxis, v. 10, n. 20, dez., 2018. Disponível em: 1516-Texto%20do%20Artigo-8941-9013-10-20190123.pdf

RODRIGUES, Tayane da Silva; et.al. Atuação e desafios do enfermeiro no tratamento de sífilis na gestação, Revista JRG de Estudos Acadêmicos, Ano 6, Vol.VI, n.13, jul.-dez., 2023. Disponível em: <http://www.revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/552>

Downloads

Publicado

20-12-2023

Como Citar

Gabriela de Souza Silva, Thaís Layne Macedo da Silva Alves, & Renata Martins da Silva Pereira. (2023). Desafios para o controle da sífilis: perspectiva de acadêmicos de enfermagem. Congresso Brasileiro De Ciências E Saberes Multidisciplinares, (2). Recuperado de https://conferencias.unifoa.edu.br/tc/article/view/1020

Edição

Seção

Ciências da Saúde (exceto Medicina)

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)