Conhecimento e concepções sobre alimento e alimentação dos professores de ciências e biologia da rede pública do município de Volta Redonda/RJ

Autores

Palavras-chave:

Educação Alimentar, Alimentos, Ensino Fundamental

Resumo

Tendo em vista que a Educação Alimentar e Nutricional traz inúmeros benefícios para a saúde física e mental, o governo implantou a Lei nº 13.666/2018 com o intuito de diminuir a obesidade infantil e melhorar os hábitos alimentares. Desta forma realizouse uma pesquisa a fim de analisar os conhecimentos e percepções dos professores de ciências e biologia, das redes públicas do município de Volta Redonda, sobre alimento e alimentação. Constitui-se como uma pesquisa qualitativa com os professores composta por entrevistas e com questionário aberto semiestruturados. Foi possível constatar através das falas nas questões aristotélicas “QUE?” e “PARA QUE?” que os docentes tem uma concepção do alimento totalmente biologistas, veem o alimento afim de nutrir células e para a obtenção de energia. A questão “Quem?” indicou uma necessidade destes em se colocar como modelos de alimentação correta a ser seguidos por seus alunos. O “COMO?” vem carregado no sentido didático, em como eles abordam tal assunto com os discentes. No “POR QUÊ?” mostrou então que existem concepções criadas pelos docentes em relação aos alimentos, eles são vistos como aliados ajudando inclusive na prevenção de futuras patologias e por fim a questão aristotélica “QUANDO” no qual eles apontam dificuldades enfrentadas no ensino tanto no tempo quanto no material didático. Desta forma percebe-se que os docentes tem um conhecimento básico sobre alimento e alimentação e precisam de uma nova capacitação para abordar o tema Educação Alimentar e Nutricional em sua sala de aula, além de mais tempo na grade curricular e novos materiais didático.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVARENGA, Marle; FIGUEIREDO, Manuela; TIMERMAN, Fernanda; ANTONACCIO, Cynthia. Nutrição comportamental. Editora Manole, 2º Edição 2018.

BOMFIM, Milena Carvalho; ALMEIDA, Simone Gonçalves. A influência dos estilos parentais no comportamento alimentar dos pré-escolares e escolares. 2019. Monografia

BORSOI, Aline Tecchio; TEO, Carla Rosane Paz Arruda; MUSSIO, Bruna Roniza. Educação alimentar e nutricional no ambiente escolar: uma revisão integrativa. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 11, n. 3, p. 1441-1460, 2016.

BRASIL. Lei 13.666, 16 de maio de 2018. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional), para incluir o tema transversal da educação alimentar e nutricional no currículo escolar. Brasília: Ministério da Educação, 2018.

______. Ministério do desenvolvimento social. É. Princípios e Práticas para Educação Alimentar e Nutricional. Ministério do Desenvolvimento Social, Secretária Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - Brasília, DF: MDS; Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, 2018.

CARVALHO, Jair Antonio; SANTOS, Cristiane Santiago Sabença; CARVALHO, Márcio Pedrote; SOUZA Luciana Sant`Ana. O alimento como remédio: considerações sobre o uso dos alimentos funcionais. 2013. Monografia

DE SOUZA MINAYO, María C. O desafio do conhecimento. Pesquisa qualitativa em saúde. Ed São Paulo: Hucitec, 1999

FECHINE, Álvaro Diógenes Leite et al. Percepção de pais e professores sobre a influência dos alimentos industrializados na saúde infantil. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, v. 28, n. 1, p. 16-22, 2015.

JUZWIAK, Claudia Ridel; CASTRO, Paula Morcelli de; BATISTA, Sylvia Helena Souza da Silva. A experiência da Oficina Permanente de Educação Alimentar e em Saúde (OPEAS): formação de profissionais para a promoção da alimentação saudável nas escolas. Ciência & saúde coletiva, v. 18, p. 1009-1018, 2013

LEEDY, Paul D.; ORMROD, Jeanne Ellis. Practical research. Pearson Custom, 2005

MELO, Laís Amaro de. Influência do uso de recursos didáticos no ensino de Biologia em uma escola da rede pública de João Pessoa. 2019. Monografia

MINAYO, Maria Cecília de Souza. (org.) Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 22°ed. Rio de janeiro: vozes, 2003.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. (org.) Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 21°ed. Petrópolis: vozes, 2002.

NICOLA, Jéssica Anese; PANIZ, Catiane Mazocco. A importância da utilização de diferentes recursos didáticos no Ensino de Ciências e Biologia. InFor, v. 2, n. 1, p. 355-381, 2017.

RAMOS, Flavia Pascoal; SANTOS, Ligia Amparo da Silva; REIS, Amélia Borba Costa. Educação alimentar e nutricional em escolares: uma revisão de literatura. Cadernos de Saúde Pública, v. 29, p. 2147-2161, 2013.

SANTOS SILVA, Maria do Amparo; SOARES Isack Rocha; ALVES Flávia Chini; SANTOS Maria de Nazaré Bandeira. Utilização de Recursos Didáticos no processo de ensino e aprendizagem de Ciências Naturais em turmas de 8º e 9º anos de uma Escola Pública de Teresina no Piauí. In: VII CONNEPI-Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação. 2012.

VINHOLES, Daniele Botelho; ASSUNÇÃO, Maria Cecília Formoso; NEUTZLING, Marilda Borges. Freqüência de hábitos saudáveis de alimentação medidos a partir dos 10 Passos da Alimentação Saudável do Ministério da Saúde: Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 25, p. 791-799, 2009.

ZANCUL, Mariana de Senzi; PRECIOSO, José; ALVES, Regina. Educação alimentar em escolas do ensino básico de Portugal. Revista de Estudios e Investigación en Psicología y Educación. 2017.

Downloads

Publicado

20-12-2023

Como Citar

Eduardo Eugênio Corrêa, Thais Martins Rocha, & Ana Paula Caetano de Menezes Soares. (2023). Conhecimento e concepções sobre alimento e alimentação dos professores de ciências e biologia da rede pública do município de Volta Redonda/RJ. Congresso Brasileiro De Ciências E Saberes Multidisciplinares, (2). Recuperado de https://conferencias.unifoa.edu.br/tc/article/view/1019

Edição

Seção

Ciências da Saúde (exceto Medicina)

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)